Itália faz campanha pelo legítimo molho bolonhesa


Publicado originalmente no GNT

Você já parou para pensar se a massa à bolonhesa que anda comendo por aí é a legítima receita das mammas e nonnas? Pois os integrantes da Coldiretti, considerada uma das mais importantes associações de produtores agrícolas da Itália, lançaram uma campanha pela volta do verdadeiro molho bolonhesa. Segundo um comunicado no site da organização, o termo bolonhesa é o mais usurpado da cozinha italiana, sendo utilizado no mundo inteiro para indicar molhos de procedência duvidosa, vendidos em latas ou caixas.

A receita legitimada pela Coldiretti foi registrada em 1982 na Câmara de Comércio da cidade de Bolonha. E os ingredientes vão muito além de carne e tomate: o molho leva bacon, manteiga, cenoura, cebola, aipo, ervas, alho, vinho branco e leite. “Ficamos chateados quando vemos gente ao redor do mundo jogando de tudo na panela. Gostamos de fazer o molho de forma simples e correta”, disse o chef Adriano Cavagnini, em entrevista ao site da BBC.

Mas os erros não se restringem ao preparo do molho. Quem acha que o espaguete é o macarrão ideal para ser saboreado à bolonhesa está cometendo outra heresia: de acordo com a Coldiretti, a massa recomendada é o tagliatelle, de preferência com 8 milímetros de espessura. E, na hora de servir, nada de levar para a mesa duas travessas. A tradição manda que o molho seja misturado à massa ainda na panela.

Slow food (comida lenta): A nova moda

Publicado originalmente no MiDieta

Vovó estava certa. Lembra quando ela lhe dizia para comer devagar? “Não se apresse!” era uma das frases mais ouvidas pelas crianças das gerações passadas. No decorrer dos anos, essas crianças que comiam rápido se tornaram adultos que também comem rápido e assim a história se repete. Mas, até recentemente, temos descoberto os benefícios de se comer devagar.

Mais rápido, mais calorias

Em 2006, a Universidade de Rhode Island conduziu uma investigação na qual se descobriu que “comer devagar inibe o apetite”. “Tudo começou em 1972 através da hipótese de que, comendo devagar, estaríamos dando tempo para que o corpo desenvolvesse a saciedade e, dessa maneira, comeríamos menos” explicou Kathleen Melanson, Professora Assistente de Nutrição e Ciência de Alimentos da Universidade de Rhode Island. “Até agora, ouvíamos essa informação em todos os lugares, e esta acabou se tornando de domínio público. Mas não havia nem um estudo amparando-a”.Neste estudo, um grupo de 30 mulheres deveria comer um grande prato de massa, duas vezes ao dia, conscientes de que poderiam comer o quanto quisessem. Quando foram orientadas a comer rapidamente, elas ingeriram 649 calorias em 9 minutos, mas, quando foram orientadas a fazer pausas entre uma garfada e outra, elas ingeriram 579 calorias em 29 minutos.

Além de gostoso, o macarrão faz bem à saude


Publicado originalmente no M de Mulher

Exatamente isso. O alimento vence mitos de que faz mal à saúde e, segundo especialistas, o macarrão não deve ser banido nem mesmo durante as dietas. Isso porque, assim como o arroz, o pão e a batata, ele é fonte de carboidratos — indispensáveis por produzir energia para o corpo. Naturalmente, apesar do bem que faz ao corpo, deve ser consumido com moderação. O macarrão é mais calórico que o arroz, por exemplo, e faz digestão mais rápido. Logo, você sentirá fome mais cedo. Daí a necessidade de não exagerar na dose.

Quanto consumir:

A nutricionista Lizandri Rangan recomenda consumir de 6 a 11 porções de carboidrato por dia. Uma porção equivale a 250 g de macarrão cozido. Atenção aqui também: não se deve comer apenas macarrão. É necessário mesclar com pães e arroz.

Saúde no prato:

O macarrão é composto por farinha de trigo e água, mas, conforme recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), deve conter também ácido fólico e ferro. O tipo integral contém ainda vitaminas e fibras, por isso é mais saudável. As fibras dão a sensação de saciedade e previnem a prisão de ventre.